Fluxo












A água que corre no ribeiro, transborda em escala, arrasta o tudo e o nada, mesmo sem nada sentir.

O corpo molhado, suado e irritado, alegra o pecado, mesmo sem nada sentir.

A boca fechada, com os pensamentos altos, inventam e salivam o teatro da alma mesmo sem nada sentir.

Brilhante a estrela que contempla os olhos de uma lua cinzenta no orvalho da manhã, mesmo sem nada sentir.

Vento forte que bate no mar, levanta a poeira da terra ao girar, ouve-se um assobio negro de uma manhã luminosa que arrefece o tempo, mesmo sem nada sentir.

Quantas emoções sentiste ao ler este texto? Eu voei bem alto, em baixo da cama, coberta pelos lençóis cheios de pó … e mesmo sem nada sentir, senti que estava viva e aqui bem perto de ti.

Sem comentários: